Oportunidade de micro rupturas no racismo institucional em MT

22 de julho de 202011min
art

Aurélio Augusto Júnior

Recentemente tivemos a notícia sobre o aumento de 30 para 39 no número da composição de desembargadores no Tribunal de Justiça de Mato grosso, em decorrência da aprovação da lei complementar nº 661/2020, na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, que alterou o caput do art. 19 da Lei nº 4.964/1985. Neste sentido, tal notícia, provocou-me reflexões sobre uma possível oportunidade de se constituir algumas medidas concretas, para primeiramente reconhecer, e posteriormente, se enfrentar o racismo institucional, em alguma de suas dimensões.

O racismo institucional é um sistema discriminatório que reproduz as condições materiais de desigualdades raciais presentes na sociedade para os espaços institucionais de poder, bem como para o seu funcionamento normalizado (naturalização de subordinação, controle, padrões e etc.), assim, tem-se por uma de suas consequências, a hegemonia de pessoas brancas, sobretudo homens, ocupando os espaços de comandos institucionais, nos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, no Ministério Público, nas reitorias de Universidades Públicas, assim como, nas diretorias das grandes instituições privadas.

Portanto, nesta linha de raciocínio,  a título de exemplo, ao se constatar o último censo racial do Poder Judiciário feito em 2013 pelo Conselho Nacional de Justiça, verificamos que apenas 15,6% da magistratura brasileira se autodeclarava negra, tal constatação, denuncia a  ausência de pessoas negras na magistratura, uma vez que, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também em 2013, indicava que 50,70% da população brasileira se autodeclarava negra (Pretos ou Pardos).

Da mesma forma, esta invisibilidade da população negra, é constatada em Mato Grosso, segundo os dados oficiais do PNAD/IBGE de 2013, cerca de 60% por cento da população em nosso estado, se autodeclarava negra (pretos ou pardos).  Neste sentido, através destes dados, e formulando um questionamento comparativo/provocativo:  Em Mato Grosso, temos 60% dos espaços de comando e poder institucionais, nos Tribunais Regionais, no Poder Legislativo e no Poder Executivo ocupados por pessoas negras?

O jurista Silvio de Almeida em seu livro denominado Racismo Estrutural, leciona que “ O racismo institucional faz com que a cultura, os padrões estéticos e as práticas de poder de um determinado grupo se torne o horizonte civilizatório do conjunto da sociedade. Assim, o domínio de homens brancos em instituições públicas o legislativo, o judiciário, o ministério público, reitorias de universidades etc. – e instituições privadas – por exemplo, diretoria de empresas – depende, em primeiro lugar, da existência de regras e padrões que direta ou indiretamente dificultem a ascensão de negros e/mulheres, e em segundo lugar, da inexistência de espaços em que se discuta a desigualdade racial e de gênero, naturalizando, assim, o domínio do grupo formado por homens brancos”.

Diante dessa nociva sub-representatividade institucional da negritude, conclui-se que as Instituições tem por compromisso democrático, reconhecer a existência de um sistema de discriminação racial vigente no país, e atuar pelo seu rompimento, com a finalidade de promover a equidade racial e a democratização nesses espaços institucionais.

No entanto, é importante salientar, que a representatividade, ainda que importante, por si só não basta. A mera presença de pessoas negras e de outras minorias políticas em espaços de poder e decisão da sociedade, ainda não traduz na mudança (anti)discriminatória em sua forma de atuação. Segundo o próprio Jurista Silvio de Almeida, “(…) uma instituição que realmente se preocupe com a questão racial deve investir na adoção de políticas internas que visem: (i) promover igualdade e a diversidade em suas relações internas e com o público externo – por exemplo na publicidade; (ii) remover obstáculos para a ascensão de minorias em posições de direção e de prestígio na instituição; (iii) manter espaços permanentes para  debates e eventual revisão de práticas institucionais; (iv) promover o acolhimento e possível composição de conflitos raciais e de gênero”.

Portanto, após 132 anos da falsa abolição da escravidão no Brasil, período que foi fundado no elemento estruturante do racismo, ainda percebe-se em nossa realidade social, a existência de discriminações, violações, violências, entre estas as institucionais, que no contexto político e econômico, causa um impacto devastador no campo dos direitos da população negra e indígena.

Desta forma, reconhecendo este problema em sua dimensão social, a Constituição Federal de 1988 garantiu, em diversos momentos a promoção da igualdade racial, ao proclamar como fundamentos da República Federativa do Brasil a cidadania e a dignidade humana (atr. 1º, II e III, da CF), constituindo-se como seus objetivos a promoção do bem de todos sem preconceito de origem, raça, cor e quaisquer outras formas de discriminação (art. 3º, IV, da CF), repudiando o racismo como um de seus princípios (art. 4º, VIII, da CF), assegurando a igualdade perante a lei em direitos e obrigações (art. 5º, “caput”, I, da CF), criminalizando a prática de racismo como crime inafiançável e imprescritível (art. 5º, XLII, da CF), estabelecendo, ainda, a proibição de diferenças salariais, de exercício de funções e critérios de admissão em função da cor (art. 7º, XXX e 39, §3º, da CF).

Considerando também que o art. 2°, II, da Convenção para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, da Organização das Nações Unidas, ratificada pelo Brasil em 1968, dispõe que “Os Estados Partes tomarão, se as circunstâncias o exigirem, nos campos social, econômico, cultural e outros, as medidas especiais e concretas para assegurar como convier o desenvolvimento ou a proteção de certos grupos raciais ou de indivíduos pertencentes a estes grupos com o objetivo de garantir-lhes, em condições de igualdade, o pleno exercício dos direitos do homem e das liberdades fundamentais.”

Considerando as decisões pela constitucionalidade das cotas raciais, nas universidades públicas, e também dos concursos públicos, em âmbito federal, proferidas pelo Supremo Tribunal Federal na ADPF 186 e na ADC 41.

Conclui-se a notória proteção constitucional acerca da vedação à desigualdade racial, de modo a reconhecer a igualdade material, nas oportunidades sociais e distribuição de riquezas e poder a todos. Bem como nas legislações infraconstitucionais vigentes no país, vide o Estatuto da Igualdade Racial, a Lei nº 12.990/2014 (Lei das cotas raciais nos concursos públicos), a Lei 7.716/1989 (Lei do Racismo/Lei Caó), Lei nº 12.711/2012 (Cotas no Ensino Superior),  entre outras diversas leis, da mesma importância.

Desta forma, tais direitos fundamentais e legislações em prol da equidade racial, colaboraram juridicamente, também para a implementação das cotas raciais no Poder Judiciário, por meio da Resolução do CNJ nº 203 de 23/06/2015 , que garante a reserva de 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos para provimento de cargos efetivos e de ingresso na magistratura, para as pessoas negras.

Portanto, diante destas constatações e fundamentos expostos acima, vislumbra-se uma oportunidade, a curto prazo, às nossas instituições em promoverem micro rupturas no racismo institucional, ao visibilizar e  reconhecer as potências negras locais, sobretudo destas, as potências negras mulheres, que atuam em Mato Grosso, que em razão do trabalho são autoridades públicas em determinadas áreas jurídicas/sociais, que detenham reputação ilibada, prestígio e reconhecimento público pela competência profissional exercida durante décadas na sociedade mato-grossense e nacional, para por exemplo, compor a ocupação (i) do quinto constitucional e (ii) das promoções da magistratura para a composição do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, conforme o aumento no números de desembargadores de 30 para 39. Este seria uma importante medida e sinalização concreta do compromisso com a equidade racial e enfrentamento ao racismo, de nossas Instituições.

Neste sentido, se queremos fortalecer o processo de democratização do país, tem-se como uma das condições, a promoção das minorias políticas nos espaços de poder, associada às implementações de medidas antidiscriminatórias, que quando já existentes, devem ser reforçadas e/ou ampliadas, em nossas instituições.

Aurélio Augusto Júnior, é advogado, presidente da comissão estadual em defesa da igualdade racial da OAB/MT, conselheiro-suplente da juventude em Mato Grosso e conselheiro municipal da juventude.

 

Deixe uma resposta


Sobre Nós

CNPJ: 35.582.297/0001-25

Jornalista Responsável

José Maria do nascimento

DRT: 0002633/MT


Contato

Ligue para nós



Mais Lidas

15 de maio de 2021

Oportunidade de micro rupturas no racismo institucional em MT

14 de maio de 2021

Oportunidade de micro rupturas no racismo institucional em MT

14 de maio de 2021

Oportunidade de micro rupturas no racismo institucional em MT