Vitória não só do PSG e do Basaksehir. Do futebol contra os racistas

8 de dezembro de 20205min
champions-league-2020-psg-x-istanbul-08122020183933334

Emocionante.

Uma lição para o mundo do Paris Saint-Germain e Istanbul Basaksehir.

Pela primeira vez nas 66 edições da Champions League, os jogadores de dois times se revoltaram contra um ato racista e abandonaram o campo.

Forçaram a poderosa UEFA a suspender a partida.

Os atletas se cansaram da tolerância das entidades em relação ao racismo.

Nada de multa ou advertência.

Já que as autoridades não têm coragem, competência para agir, eles tomaram a atitude.

Mostraram que futebol não é lugar para racistas.

A postura que começou com Demba Ba se alastrou, contagiou a todos.

A situação foi cristalina.

PSG e Istanbul jogavam pelo grupo H, a partida estava 0 a 0, quando o lateral brasileiro do time turco, Rafael, fez falta dura em Bakker.

Eram 13 minutos.

Sebastian Coltescu é o quarto árbitro que chamou Pierre Webo de "esse preto"

Sebastian Coltescu é o quarto árbitro que chamou Pierre Webo de “esse preto”

Reprodução/Twitter

Quando Rafael recebeu o cartão amarelo, houve revolta no banco do Basaksehir.

O técnico Okan Buruk recebeu também o amarelo do juiz romeno Ovidiu Haţegan.

Foi quando o quarto árbitro, o também romeno Sebastian Colţescu se voltou para o auxiliar técnico da equipe turca, o camaronês Pierre Webo.

E disse que “esse cara preto” tem de sair do banco.

Ao ouvir a expressão racista, o senegalês Demba Ba, que estava no banco de reservas do Basaksehir encarou Coltescu.

E perguntou, revoltado.

“Você nunca diz ‘esse cara branco’, você diz ‘esse cara’. Então por que, quando você cita um homem preto, você diz ‘esse cara preto’?”

O juiz Buruk decidiu expulsar Demba Ba.

Pierre Webo foi expulso por reclamação. Correto. Mas foi identificado como 'esse preto'

Pierre Webo foi expulso por reclamação. Correto. Mas foi identificado como ‘esse preto’

Charles Platiau/Reuters – 8/12/2020

Mas só que, sem torcida em Paris, os jogadores do PSG também ouviram Coltescu dizer ‘blackman” a Pierre Webo.

Situação que o próprio quarto árbitro confirmou.

Os atletas das duas equipes, que contam com jogadores brancos e negros, decidiram.

Só recomeçariam a partida se Coltescu não fosse mais o quarto árbitro.

Neymar e Mbappé apoiaram desde o início o time turco.

Como Coltescu seguiria no jogo, decidiram simplesmente abandonar a partida.

As diretorias dos dois clubes apoiaram a decisão.

A Uefa foi encurralada.

A situação salomônica foi suspender o jogo.

E remarcá-lo para amanhã.

Com uma grande vitória dos atletas contra o racismo.

Demba Ba enfrenta Coltescu. "Por que você diz 'esse preto'?

Demba Ba enfrenta Coltescu. “Por que você diz ‘esse preto’?

Reprodução/Twitter

Outro quarteto de juízes estará em Paris.

Coltescu deverá ser julgado pela atitude racista.

A revolta foi exemplar.

Marcou a história da Champions League.

O mundo não tolera mais o racismo.

Nem o futebol…

Fonte: R7

Deixe uma resposta


Sobre Nós

CNPJ: 35.582.297/0001-25

Jornalista Responsável

José Maria do nascimento

DRT: 0002633/MT


Contato

Ligue para nós



Mais Lidas

10 de abril de 2021

Vitória não só do PSG e do Basaksehir. Do futebol contra os racistas

10 de abril de 2021

Vitória não só do PSG e do Basaksehir. Do futebol contra os racistas

10 de abril de 2021

Vitória não só do PSG e do Basaksehir. Do futebol contra os racistas