MPE diz que pais de adolescente querem “tumultuar” processo

Sem BANNER

10 de dezembro de 20205min
0d4e08768170c1783022d861dc3198f4

Advogado de Marcelo Cestari fez uma série de pedidos que promotor considerou desnecessários

O Ministério Público Estadual afirmou que os pedidos da defesa do empresário Marcelo Cestari e de sua esposa Gaby de Oliveira Cestari, feitos na resposta à acusação na ação a que respondem na Justiça, têm o objetivo de tumultuar e atrasar o andamento do processo.

Marcelo e Gaby são pais da adolescente de 15 anos que atirou e matou sua melhor amiga, Isabele Guimarães, em julho, no Condomínio Alphaville.

A manifestação consta em um parecer assinado pelo promotor Milton Pereira Merquíades na segunda-feira (7).

Os pais da adolescente são réus pela prática dos crimes de homicídio culposo, posse ilegal de arma de fogo, entrega de arma de fogo a pessoa menor, fraude processual e corrupção de menores.

Na resposta à acusação enviada para a Justiça, o advogado da defesa, Artur Osti, faz uma série de pedidos, como perícia do case da arma utilizada no crime, perícia de balística e ainda cita o namorado da adolescente que levou a arma e o pai dele, o veterinário Glauco Fernando Mesquita Correa da Costa.

“Além da desqualificação desnecessária da denúncia, tentam a todo custo, tumultuar o andamento processual, na medida em que formulou-se diversos pedidos protelatórios que, após devida análise, em nada serão úteis ao deslinde da presente ação penal”, afirmou o promotor.

A defesa do casal ainda pediu que o adolescente e o pai entregassem todas as imagens do circuito interno de câmeras de segurança do dia em que Isabele foi morta.

O advogado também solicitou que fosse encaminhado um ofício para a empresa WhatsApp solicitando os registros de mensagens e arquivos de mídia das contas dos pais do namorado da atiradora.

Porém, o MPE entendeu que os réus querem produzir provas contra pessoas que não estão incluídas no processo e que isso de nada contribui com o caso.

“No entanto, conforme já reportado, se mostra inadequado querer utilizar este Juízo, em específico esta ação penal, para querer dar início a investigação de fatos alheios a este processo-crime”, disse o promotor.

Osti também havia solicitado que seja decretado sigilo no processo para que sejam anexadas fotos do adolescente. Mas o Ministério Público não vê necessidade, tendo em vista que as imagens não precisam constar nos autos.

O promotor pediu para que a juíza Maria Rosi de Meira Borba, da 8ª Vara Criminal de Cuiabá, indeferisse todos os requerimentos da defesa.

“Diante de todo o exposto, o Ministério Público pugna pelo indeferimento de todos os requerimentos de perícias e diligências requeridas pela defesa técnica quando da apresentação da resposta à acusação, bem como se manifesta pelo indeferimento da decretação de sigilo dos autos, em homenagem ao princípio constitucional da publicidade dos atos processuais”, concluiu Merquíades.10

travoltajunior



Sobre Nós

CNPJ: 35.582.297/0001-25

Jornalista Responsável

José Maria do nascimento

DRT: 0002633/MT


Contato

Ligue para nós



Mais Lidas

23 de abril de 2021

MPE diz que pais de adolescente querem “tumultuar” processo

23 de abril de 2021

MPE diz que pais de adolescente querem “tumultuar” processo

22 de abril de 2021

MPE diz que pais de adolescente querem “tumultuar” processo